Maria Tuca Fanchin

Atores


Project Description

Iniciou sua carreira em Curitiba, onde foi premiada por dois anos seguidos como melhor atriz com o prêmio Governador do Estado e o Prêmio Potty Lazzarotto. Em 2008, formou-se pela EAD-Escola de Arte Dramática da USP. Em teatro seus principais trabalhos são: A Dama de Bergamota, direção de Luiz Damasceno, As bruxas de Salém, dir. de Bete Dorgam, Ricardo III, dir. de Celso Frateschi, Desde que o samba é samba, dir. de Isabel Setti, A Vida como ela é, dir. de Luis Arthur Nunes, e Ato sem palavras I, dir. de Cristiane Paoli-Quito, Lesão Cerebral e Há um crocodilo dentro de mim, ambos com dir. de Silvana Garcia (por Lesão Cerebral recebeu o Prêmio de melhor atriz no FestCal e Há um crocodilo dentro de mim foi indicado para o Prêmio da Cooperativa Paulista de Teatro como melhor espetáculo em espaços não convencionais de 2009), A Menina Lia, dir. de Fernanda Gama, (ganhou o Prêmio da Cooperativa Paulista de Teatro como melhor espetáculo infantil), Rodriguianas: tragédias para rir de Nelson Rodrigues no CCBB-SP, dir. de Luis Arthur Nunes, Mulheres, escrito por Mario Bortoloto e dirigido por Fernanda Dumbra. Em cinema seu principal trabalho é Arthur e o infinito, filme pelo qual ganhou o Prêmio de melhor atriz no 4˚ Filmworks Film Festival. Em TV, fez participações nas séries Agora sim no Canal Sony, Copa do Caos na MTV e Vida de Estagiário no Canal Warner. Atualmente, está em cartaz com Não vejo Moscou da janela do meu quarto, projeto teatral idealizado em parceria com a diretora Silvana Garcia. Além de idealizadora e atriz de Não vejo Moscou da janela do meu quarto, Maria Tuca também assina a direção de arte, o figurino e a pesquisa de trilha sonora. Este espetáculo ganhou dois Prêmios Shell de Melhor Direção e Melhor Iluminação de 2014.

Back to top